Qual é o melhor virtualizador: VirtualBox, VMware ou Virtual PC?

Descubra qual destas ferramentas vence na hora de rodar jogos antigos, programas com gráficos 3D e os mais diversos sistemas operacionais

Por Felipe Augusto Cavalcante em 18/07/2012


As máquinas virtuais representam um grande avanço para a informática; permitindo que se utilize o mesmo hardware para executar uma infinidade de sistemas diferentes ao mesmo tempo sem prejudicar o sistema operacional principal da máquina. Na prática, você pode rodar uma distribuição Linux dentro do Windows, um Windows XP dentro de um 7 (ideal para jogos antigos) e, até mesmo, se arriscar com os sistemas Mac OS X ou Windows 8, sem precisar fazer dual boot ou adquirir vários computadores.

Neste ramo de atuação existe uma série de ferramentas, dentre as quais destacam-se [sd|softid="57830"], [sd|softid="51167"] e [sd|softid="44915"]. Diante da oferta, é comum surgirem perguntas como: "Quais são os diferenciais de cada uma delas?", "Quando devo usar uma ou a outra?", "Posso usar todas elas ao mesmo tempo ou simplesmente tê-las instaladas no Windows?". Pois são justamente perguntas como estas que esta matéria pretende responder!

[sd|softid="57830"]

Esta é a versão doméstica e gratuita do popular virtualizador VMware, que possui forte presença em servidores no mundo corporativo e foi realmente o responsável por popularizar a tecnologia de virtualização; isso entre empresas de médio ou pequeno porte e usuários domésticos, tendo em vista que a virtualização já estava presente nos poderosos mainframes da IBM, já na década de 60.

Dentre os sistemas que você pode rodar, com suporte oficial, no VMware Player estão:

  • Windows: 3.1, 95, 98, ME, 2000, 2003, 2008, NT, XP, Vista (32 e 64 Bit) e 7 (32 e 64);
  • Linux: Ubuntu, Fedora, Mandriva, OpenSUSE, Debian 5 e 6, SUSE Linux Enterprise 7 ao 11, Red Hat Enterprise Linux 2 ao 6. Além de várias outras distribuições com kernel entre 2.2 e 2.6, tanto em versões 32 quanto 64 Bit;
  • Netware 5 e 6;
  • Solaris: 8 e 9 de forma experimental, 10 nas versões 32 e 64 Bit;
  • Outros: MS-DOS (sim, instalado com disquetes virtuais!) e FreeBSD (como FreeNAS).

*outros sistemas podem ser executados com algumas adaptações, contudo sofrem com maior instabilidade e perda de desempenho.

O que mais impressiona no VMware Player, assim como em sua versão paga [sd|softid="1919"], é que os sistemas virtualizados quase não perdem desempenho; com ele é possível rodar até mesmo jogos 3D como [sd|softid="11254"] e até outros mais pesados em uma máquina virtual, algo difícil de acreditar diante das restrições de recursos.

É claro que jogar algo dentro de uma máquina virtual não é recomendado quando se pode fazer isso no próprio PC. Mas, em alguns casos esta é a única opção. Isso porque a cada nova versão do Windows vários jogos deixaram de ser compatíveis com o sistema, principalmente quando se trata da versão 64 Bit do Windows 7, e vários deles necessitam de suporte e aceleração 3D (alguém ai jogava [sd|softid="97857"]?).

Exemplo de teste 3D rodando dentro do VMware

O fato da ferramenta suportar plenamente Windows 98 e anteriores, a torna uma ótima alternativa para relembrar os jogos feitos inicialmente para DOS e Windows 95, que nem ao menos instalam no Windows 7.

Que tal matar as saudades de seu Windows 98 e dos programas e jogos que rodava nele?

Outro detalhe importante, é o fato de o VMware Player suportar com perfeição o uso dos dispositivos USB conectados ao PC; sejam eles teclados, mouses, webcams, joysticks, adaptadores de rede sem fio e etc. Basta o usuário clicar no dispositivo, presente sobre a forma de ícone na janela da ferramenta, e escolher se ele deve ficar disponível para máquina virtual ou o PC real.

É fácil deixar os dispositivos dedicados à máquina virtual

Se faltar espaço no disco rígido da máquina virtual, basta expandi-lo pela própria ferramenta e depois usar algum utilitário do sistema para redimensioná-lo. Desta forma, o virtualizador não nos deixa na mão, caso as necessidades mudem com o passar do tempo, algo que normalmente exigiria a criação de uma nova máquina virtual.

Por se tratar de uma versão gratuita, o VMware Player é capaz de fazer apenas 1 snapshot (ponto de restauração de estado), que é criado automaticamente quando tentamos fechar o programa com a máquina virtual ligada. Depois, ao solicitar a reativação da VM, o estado da máquina é automaticamente recuperado para o momento em que ocorreu a gravação, incluindo os programas e execução e informações guardadas na memória.

Como recurso exclusivo, os produtos VMware trazem o chamado modo de visualização Unity, no qual os programas executados dentro da máquina virtual são magicamente transportados para a área de trabalho do PC real. Assim, é possível usar um programa antigo como se ele, de fato, estivesse instalado em seu PC.

Repare: O menu iniciar do Windows 98 e os aplicativos surgindo sobre o Windows 7

É importante lembrar que os recursos mais avançados, como aceleração 3D, vídeo com boa qualidade, mouse preciso, som com qualidade e Unity apenas funcionam após a instalação do chamado "VMware Tools" na máquina virtual. Para isto, basta seguir até o item de menu "Virtual Machine" e clicar na opção "Install VMware Tools"; com isso, iniciará automaticamente na VM a instalação dos drivers e aplicativos necessários para o seu funcionamento.

*O VMware Tools funciona tanto com o sistema Windows, quanto em algumas versões do sistema Linux.

[sd|softid="51167"]

O programa se tornou famoso após sua aquisição ter sido feita pela SUN, que lançou o projeto como uma alternativa de código aberto. Hoje em dia, o virtualizador é desenvolvido através da cooperação de sua comunidade de usuários com o apoio da Oracle, que adquiriu a SUN e todo o seu portfólio de soluções.

De forma comparativa, com relação aos recursos, pode ser visto como uma alternativa gratuita à versão mais completa do VMware Player, o [sd|softid="1919"]. Isso porque ele traz a criação ilimitada de snapshots, gerencia todas as máquinas virtuais sobre a mesma interface, realiza a clonagem de VMs e permite uma série de personalizações mais avançadas, que o VMware Player deixa intencionalmente de lado.

À direita da tela os vários snapshots criados para a máquina virtual do Windows 8

A ferramenta ganhou nas últimas versões o recurso para aceleração de gráficos 3D e de vídeo 2D, que lhe permitem usar o poder da placa de vídeo real do PC para acelerar aplicativos e jogos um pouco mais complexos em execução na VM. O desempenho ainda não é dos melhores, comparando com o VMware, mas já é o suficiente para os aplicativos mais básicos.

Dentre os sistemas suportados pelo VirtualBox, segundo os desenvolvedores, estão:

  • Windows: 3.1, 95, 98, ME, 2000, 2003, 2008, NT, XP, Vista (32 e 64 Bit) e 7 (32 e 64 Bit) e 8 (32 e 64 Bit);
  • Linux: Ubuntu, Fedora, OpenSUSE, Debian, Red Hat Enterprise Linux. Além de várias outras distribuições com kernel 2.2, 2.4 e 2.6 - tanto em versões 32 quanto 64 Bit;
  • Solaris: Oracle Solaris 10 ou superior;
  • BSD: FreeBSD, OpenBSD e NetBSD - todos em versões 32 ou 64 Bit;
  • IBM OS/2: Warp (3,4 e 4.5), eComstation e outros;
  • Mac OS X Server 32 e 64 Bit;
  • Outros: DOS, Netware, L4, QNX e JRockitVE.

*outros sistemas podem ser executados com algumas adaptações, mas sofrem com maior instabilidade e perda de desempenho.

Infelizmente nos testes, ao tentar rodar o Windows 98 no VirtualBox, surgiram vários problemas que impediram até mesmo a instalação do sistema. Este problema infelizmente se repete de forma aleatória em vários outros sistemas, até mesmo com máquinas virtuais Windows XP e 7; contudo, com menor intensidade e impacto nas tarefas.

Alguns erros travam até mesmo o PC real com a tela azul da morte, por isso tome cuidado!

Mesmo sendo mais instável que o VMware Player, a possibilidade de criar snapshots a todo momento justifica a sua utilização. Durante a confecção desta matéria, por exemplo, foi preciso interromper a instalação do Windows 8 Consumer Preview em uma máquina virtual do VirtualBox; ao invés de simplesmente cancelar o processo (e começar tudo de novo depois), foi possível criar um snapshot no meio da instalação, recuperá-lo depois e concluir tudo direitinho economizando tempo.

Teste o Windows 8 com aceleração de hardware sem prejudicar o sistema principal

Outro uso recomendado dos snaphoots é para quem está aprendendo a mexer em um novo sistema operacional, como Linux, ou gosta de fazer testes perigosos. Basta criar um snapshot logo após finalizar a instalaçao do sistema (ou durante ela), realizar os testes arriscados ou instalar tudo o que quiser e depois, simplesmente recuperar tudo para o estágio inicial.

Assim como o VMware Player, para aproveitar ao máximo os recursos do VirtualBox é preciso instalar o pacote próprio de drivers; neste caso conhecido como "Adicionais para Convidados". Após a instalação deste pacote, é possível aproveitar até mesmo aceleração de gráficos 3D e um controle mais natural do cursor do mouse. Para instalar a ferramenta, siga até o menu "Dispositivos" com a máquina virtual rodando e clique na opção "Instalar Adicionais para Convidado"; agora é só seguir as instruções que surgem na tela.

*O "Adicional para Convidado" também está disponível no Linux

[sd|softid="44915"]

O Virtual PC 2007 foi a resposta da Microsoft aos problemas relatados por seus usuários ao tentar rodar aplicativos feitos para as versões mais antigas do Windows, principalmente no Windows XP ou posterior. Apesar do relativo sucesso na época de seu lançamento, a ferramenta acabou sendo descontinuada posteriormente pela empresa; embora tenha sido lançada de forma minimalista como o Windows XP Mode do Windows 7, disponível apenas nas versões corporativas do sistema, e bem menos poderosa do que o aplicativo incial.

Dentre os sistemas operacionais suportados pela ferramenta estão:

  • Windows: 98, 2000, 2003, 2008, NT, XP e Vista;
  • OS/2;
  • Other: usada para rodar, ou pelo menos tentar, a execução de sistemas Linux e outros não listados nas opções anteriores.

Com ele é possível rodar perfeitamente as versões XP e 98 do Windows, isso levando em conta que até mesmo a conexão com rede e o acesso à Internet funcionam normalmente, sem configurações complexas. Assim como os outros aplicativos, ele também conta com um pacote de drivers especiais, que é o "Virtual Machine Additions"; instalado a partir do item de menu "Action" da janela que abriga as máquinas virtuais.

Mate as saudades de seus aplicativos para Windows 98 e até mesmo DOS

A ferramenta, dentre as três deste comparativo, é a que possui o visual menos trabalhado e a menor quantidade de recursos disponíveis. Caso você queira rodar uma máquina virtual Linux, por exemplo, acabará encontrando uma série de dificuldades com o Virtual PC; justamente pela falta de drivers especificos para fazer funcionar as conexões de rede, som e armazenamento.

Um visual bem minimalista

Para piorar a situação, o Virtual PC não traz aceleração de gráficos 3D ou permite que a quantidade de memória do chip de vídeo virtual seja elevada além dos 8 MB padrão; um valor insuficiente para rodar uma série de jogos e aplicativos antigos mais elaborados.

Faltou também à ferramenta a possibilidade de criar snapshots, pois ela o faz apenas de forma temporária ao desligarmos de uma vez a máquina virtual. Sem este recurso, presente no VirtualBox, as máquinas virtuais se comportam como PCs comuns, que precisam ser formatados e re-instalados em caso de problemas no sistema ou aplicativos instalados.

Diante da falta de recursos e até mesmo de atualizações do Virtual PC 2007, seu uso é recomendado apenas quando as outras 2 ferramentas não conseguirem executar aquilo que você necessita. Desde que, é claro, envolva um sistema operacional Windows na máquina virtual.

O Benchmark

Para descobrir qual das ferramentas de virtualização é realmente a mais rápida, para rodar aplicativos comuns e jogos, escolhemos um aplicativo de Benchmark simples no Windows XP, o[sd|softid="16598"]. A escolha do XP foi feita diante do tempo em que o sistema já está disponível no mercado e como alvo dos virtualizadores; vantagem esta que, ao menos teoricamente, deveria fazer com que as ferramentas o rodem com perfeição.

Windows XP

No VMware Player, o resultado foi o seguinte:

Em destaque, a nota geral oferecida ao Windows XP rodando no VMware Player

Resultado para o VirtualBox:

Repare que o desempenho geral até mesmo ficou abaixo do Virtual PC

Resultado no Virtual PC 2007:

O Virtual PC 2007 realmente tinha um futuro promissor

Os resultados apresentados pelo PerformanceTest apenas confirmam o que a comunidade já constatou durante o uso das ferramentas:

  • VMwarePlayer: o mais rápido em processamento, uso de memória e aceleração de gráficos 2D ou 3D;
  • VirtualBox: praticamente empata com o VMware em questão de velocidade de processamento, memória e aceleração de gráficos 2D. Contudo, seu desempenho ainda é extremamente pobre quando assunto é gráficos 3D, mesmo os mais simples;
  • Virtual PC 2007: não fica tão atrás dos concorrentes em questão de processamento e memória, mas simplesmente não existe aceleração 3D.

Com base nos resultados recomendamos as ferramentas de acordo com os seguintes necessidades:

  • VMware Player: aplicativos e jogos antigos que precisam de um melhor desempenho, tanto de processamento quanto em gráficos 3D. Boa opção para rodar também em sistemas Linux e Mac;
  • VirtualBox: melhor para quem costuma mexer em várias máquinas virtuais ao mesmo tempo ou costuma realizar milhares de testes nos sistemas operacionais. Isso graças ao recurso de snapshots. Boa opção para rodar também em sistemas Linux e Mac;
  • Virtual PC 2007: Alternativa interessante quando as demais ferramentas não conseguem rodar algo especifico de versões mais antigas do Windows.

Dicas

1. É possível ter as três ferramentas instaladas ao mesmo tempo no PC. Contudo, é recomendado usar apenas uma de cada vez, pois elas utilizam de mecanismos avançados para obter acesso à memória e ao processador da máquina. Em determinados casos, pode ocorrer a desativação da rede e até mesmo o travamento completo do PC;

2. Caso queira "converter" uma máquina virtual do VirtualBox para o VMware, basta seguir até o item de menu "Arquivo" e selecionar a opção "Exportar Appliance". Depois, já no VMware Player, siga até "File" e clique na opção "Open a Virtual Machine" e selecione o arquivo OVA gerado no passo anterior. É comum surgirem alguns avisos e erros, mas a máquina normalmente rodará sem problemas. Atenção: Lembre-se de desinstalar os "Adicionais para Convidados" antes de fazer a conversão;

3. Se a sua ideia é converter um PC real para rodar no VMware Player, basta usar a ferramenta [sd|softid="56873"];

4. Quer matar a sua curiosidade sobre o sistema de smartphones e tablets Android? Baixe o [sd|softid="98068"] e rode em seu VirtualBox.

5. Desvende o mundo Linux com sua ferramenta de virtualização preferida e as distribuições cadastradas no Superdownloads.

| URL curta

Comentários ()


© Copyright 1998-2014 Grupo NZN | A empresa Privacidade Termos de uso Trabalhe conosco RSS Contato